quinta-feira, 12 de junho de 2014

Público vs Privado

Rita* anda num rodopio de espirros e ranheta há 2 semanas. Rita* vai com as crianças a um espectáculo com a cabeleira ao Sol. No dia seguinte sangue na expectoração e durante mais 2 dias. Devido aos antecedentes familiares Rita* começa a panicar e pensa deslocar-se a uma unidade de saúde.

Opção A: Centro de saúde - 5€
Opção B: Urgência do Centro Hospital da zona - Taxa moderadora bem acima dos 5€
Opção C: Urgência do Hospital Particular da zona - taxa moderadora igual ou inferior à opção B (devido ao acordo com ADSE).


Resultado: Escolhida a opção C. Atendimento muito bom, com uma médica impecável, detectou uma veia sangrante no nariz. Fiz raio-X e pulmões limpinhos, mas expectoração nos brônquios. Provável rinite alérgica que deve ser investigada por um pneumologista. Tempo de chegada até à saída: exactamente uma hora. Preço: 4,99€.

E venho para casa a pensar...e quem não tenha a opção C ou um seguro?!!! A opção A implicava, no meu caso, uma manhã no centro de saúde e uma arrelia porque a minha médica de família podia estar virada do avesso (o que aliás é o prato do dia). Vinha com requisição para o raio-x e quando finalmente tivesse o resultado já me tinha dado a travadinha com os nervos.
No caso da opção B, deviam dar-me uma pulseira verde e saía de lá uns 2 dias depois, sem qualquer resposta.

Nem vale a pena falar do preço, pois não?!!!

Também sei que há excelentes médicos no público (um exemplo brutal é o meu gine/ obstetra) e péssimos no privado, mas quando os bons médicos começam, e rapidamente, a passar para os privados porque dizem que no público não conseguem garantir as condições de segurança e um bom atendimento aos pacientes, é porque alguma coisa não está bem...ou será só da minha cabeça?!!!

2 comentários:

  1. Sou uma defensora do serviço público não só a nível da saúde, mas também! Quero acreditar que há excelentes profissionais nos hospitais e centros de saúde públicos, acredito também que a fuga destes profissionais para o setor privado se deve à falta de incentivos e condições que deveriam ser salvaguardadas pelo Estado português... Afinal é para usado que pagamos impostos, não!?

    ResponderEliminar
  2. mmm's concordo plenamente!!! Até porque eu própria tenho várias situações em que fui muito bem atendida em hospitais públicos e muito mal atendida no privado! E eu já nem falo em incentivos aos médicos/ enfermeiros para que se mantenham em funções, se lhes garantissem as condições necessárias de trabalho já não estaríamos assim.
    Também sei que de região para região as coisas podem estar diferentes, mas daqui do Sul, mesmooooo a Sul digo...isto não está nada famoso :(. Vale-nos ainda a ética e o esforço destes profissionais!!

    ResponderEliminar