sábado, 9 de agosto de 2014

Mudanças

Há cerca de 2 meses fiz 34 anos. Txiiii...já 34!!! A verdade é que não os sinto. 
Sinto que desde que fiz 18 anos tenho vivido tão a 1000 km/h. Exactamente 3 meses depois de ter feito os 18 mudei-me para Coimbra...a quase 500 km de casa. Não conhecia ninguém, ou quem conhecia era de vista, e curiosamente nem sequer era da minha região demográfica! Foi uma experiência e tanto, a adaptação, mas fenomenal. Eu, filha única e extremamente apegada aos meus pais, foi a primeira vez que me vi sozinha. Foram semanas muito intensas e carregadas de memórias felizes.
Um mês e meio depois comecei a namorar com o S., que ainda estava na terrinha. 2 anos depois também foi para Coimbra, onde trabalhava e estudava. Demos um passo importante na nossa relação e partilhámos um apartamento (bem...uma casinha mini mini e velhinha, mas a casa que me ficou no coração). Estudar e ao mesmo tempo crescer para gerir a minha casa e a minha vida foi avassalador, mas permitiu que me fosse descobrindo e, aos poucos, a ele e a nós.
Voltei para casa dos meus pais. Comecei a trabalhar. Fui pedida em casamento e 3 anos depois de ter voltado, casámos. Começámos a tentar aumentar a família. Muitas lágrimas e muito sofrimento...nasce o I. e tudo volta ganha um novo sentido. Fico sem trabalho. O meu pai adoece. Muitas lágrimas e muito sofrimento, mas lutámos, todos juntos e fomos superando cada obstáculo. O meu pai melhora. O I. faz um ano e "aparece" a R.. O susto que apanhámos meu Deus...todos!!! E tudo se encaixou...havia de correr tudo bem! Nasce e o meu pai volta a adoecer. Continuamos a lutar. Perdemo-lo mas sinto que não totalmente...sinto-o em nós e não dá para esquecer nunca o legado que deixou.
Fazendo esta retrospectiva tão breve dos meus últimos 16 anos sinto que mudei tanto. Que a minha essência foi descoberta e mantida, mas que surgiram tantas nuances nas alterações à forma como vivo. 
Acho que é natural...não podemos viver os dias, com todas as rotinas e novidades que se nos apresentam e continuar a sempre iguais. Algumas dessas mudanças foram tão subtis, tão naturais. Outras muito bruscas e quase todas baseadas na dor e da procura de minimizar o sofrimento...principalmente relativamente a algumas pessoas, das quais optei por me afastar, outras cujo afastamento não intencional foi progressivo.
Ultimamente, sinto que mudei...mas agora baseada na alegria e na felicidade, ou melhor, na contínua procuras delas. Foi uma mudança brusca, e apesar de eu não ser uma pessoa de me queixar de tudo e de todos e até ter uma postura bastante positiva (com os meus dias negros, que também não diferente do resto do mundo), sinto-me plena, tranquila (haha...a maior parte do tempo lolol) e muito mais feliz.
E isso reflecte-se em todos...os sorrisos por aqui andam maiores do que nunca!!! E o que eu amo ver os dentinhos dos manos todos de fora nas gargalhadas!!!

4 comentários:

  1. Mudar nunca é fácil, mas significa crescimento...
    O que importa é viver*
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. E difícil sair da nossa zona de conforto, mas as vantagens são imensas!
    Beijinhos,
    Bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão verdade!!! Quem sabe se fora da nossa zona de conforto não está uma realidade ainda melhor?!!!
      Beijinho e bom fim-de-semana ;)!!

      Eliminar