segunda-feira, 14 de julho de 2014

The end!

Ora bem...a organizar as ideias que o desenrolar da história ainda foi atribulada...
Afinal não era possível a entrega na Sexta-feira, teve que ser no Sábado. A partir das 10h. Às 11h estavam novos senhores  miúdos das entregas cá em casa. E...tcharam...nova cabeceira partida, menos, e no mesmo local! Pois que vai de volta! A rapaziada ainda tentou dar lá uma porradinhas a ver se passava mas, lá se foi ela.
Ao contrário dos colegas anteriores, bem mais batidos no assunto, digo eu, não ligaram para a colega da transportadora, nem para a loja...estranhei e perguntei o que se seguia. Ah "a gente" liga para eles depois e elas ligam-lhe para dizer alguma coisa.

Passadas umas 4 ou 5 horas liguei para a senhora da transportadora, que nesta altura já nos tratávamos todas por tu, e diz-me que tinha ficado a saber havia pouco tempo o que se tinha passado e que ia entrar em contacto com a loja, que entretanto da loja me ligavam. Vim de arrumações com o S. e às tantas olhava para o quarto e crescia-me uma coisa...uns azedos...e não estava a conseguir fazer nada. Pusemos a mobília toda de volta no quarto e decidimos fazer-nos ao caminho até à loja...ou armazém, melhor dizendo, que se fosse à loja era logo para uma reclamação! (Da qual ainda não estão livres!). Honestamente, nesta altura já não acreditava que as coisas resolvidas ao telefone dessem em nada!

Quem estava de serviço? A rapariga que nós conhecemos! "Olha, já sei o que aconteceu e já está ali uma nova para entrega amanhã. Devem ligar ainda hoje a informar." Conversa daqui e dali e pedi que abrissem logo para não ir outra amassada. Eram 11 cabeceiras, duas vinham com mossa no mesmo local e devia ter sido alguma coisa do transporte.

Domingo, 11h...senhores de Quinta-feira e uma cabeceira intacta! Cliente minimamente satisfeita...não fosse esta história rocambolesca! Fechamos a porta e vou ler a guia de transporte e factura final quando leio, na parte das observações o que as criaturas iluminadas escreveram como motivo para a cabeceira ter ido de volta, de novo... a cliente diz que a cabeceira é a mesma e que está partida no mesmo sítio".
Eu NUNCA disse que era a mesma!!!!!

O que me chateia acima de tudo é que o melhor é não ter conhecidos nestes locais, principalmente se nos dermos bem com eles. O vendedor é uma pessoa que conhecemos e a quem deu jeito a comissão da venda. Numa das vezes que reclamei ao telefone a senhora disse que ia falar com a chefe dos vendedores para os repreender (mal sabia eu que a rapariga que estava ao lado dela era a mulher desse vendedor...a tal que eu conheço...confuso hein?!) ...ressalvei que o vendedor seria a última pessoa a ser chamada porque nos deu todas as informações, mas ao que parece a funcionária fez mesmo a reclamação. A mulher do vendedor, como é óbvio ficou preocupada com o que eu tinha dito! No Sábado esclareci tudo e arrumei o assunto. Até lhe pedi para que abrissem mesmo a caixa para ver se estava tudo bem porque podia ser mesmo alguma coisa do transporte...e aqueles...miúdos escrevem uma trampa daquelas!!!
Eu não sou imaculada e também faço/ digo bosta, mas assumo quando assim é...

O que vale é que adoro o resultado final!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário